quinta-feira, 15 de junho de 2017

IGREJA ADVENTISTA E A IGREJA DA REFORMA

Este espaço não tem como objetivo ferir ou acusar nenhuma das religiões ou poderes constituídos, apenas apresentar que Deus esta no controle de todas as coisas. E que você não esta sozinho neste mundo um pouco desajustado, este Mundo, esta refletindo na sua história a Gloria de Deus.
Não importa qual seja a sua história, Deus pode mudar ou te socorrer em suas dificuldades. Se você crê nisto parabéns!

Hoje irei falar um pouco sobre a história dos Adventistas da Reforma, e se você pouco entende sobre estas medidas, ou história, irei deixar alguns links como o objetivo de poder te ajudar nisto. Mas como disse anteriormente, as saídas de um historiador pode ser diferente de outro, devemos respeitar suas saídas. E se possível evitar contestá-las. Nesta linha de tempo como em outras você com certeza, pode ter visões diferentes do historiador, assim como também, de um historiador para outro se tem diferença para a data do decreto de Atarxexes, ou para a saída para a volta dos judeus à palestina. Tema que apresentarei no futuro.
Sempre tenho afirmado que as medidas da história religiosa são rebatidas, ou seja, sua ordem as vezes se tornam inversas, assim ocorreu com esta abaixo.




Usarei o mesmo estilo de publicações anteriores, pouco comentarei por agora, somente publicarei um pouco das fontes das datas da linha do tempo. Assim que possível publicarei outras linhas do tempo,  com este formato e com estas medidas, espero que ao comparar uma com a outra, isto te ajude de alguma forma.


John Wichef um reformador por excelência. 

No século XIV, John Wichef (1320-84) em Oxford estabeleceu como única norma de fé a Escritura traduzida para o inglês; interpretando subjetivamente a Bíblia, negava a autoridade do Papa, a confissão auricular, a transubstanciação eucarística, o culto dos Santos...; provocava assim grande agitação entre os fiéis. Por isso o Sínodo de Oxford (1408) proibiu a publicação e a leitura de textos vernáculos da Bíblia não autorizados. O mesmo se deu no Sínodo dos Bispos alemães em Mogúncia (1485).
http://agnusdei.50webs.com/div260.htm

João Huss, discipulo de john Wichef. Foram fiel até a morte.

Porém, no tempo de Henrique IV e Henrique V foram intensamente perseguidos e, por fim, exterminados. A pregação de Wyclif e sua tradução da Bíblia sem dúvida, prepararam o caminho para a Reforma.
João Huss, da Boêmia (nascido em 1369 e martirizado em 1445), foi um dos leitores dos escritos de Wyclif, pregou as mesmas doutrinas, e especialmente proclamou a necessidade de se libertarem da autoridade papal. Chegou a ser reitor da Universidade de Praga, e durante algum tempo exerceu influência atuante em toda a Boêmia. O papa excomungou João Huss, e determinou que a cidade de 
http://ebdhistoriasanta.wixsite.com/historia/-idade-dastrevas-6



Os Lolhardos (nome pejorativo), movimento que defendia os ensinos de João Wycliffe (1382), na Inglaterra. Ele foi o primeiro tradutor da Bíblia para a língua inglesa. Esse grupo defendia a Bíblia como a única fonte de fé e conduta e o direito de todos poderem lê-la e interpretá-la. Eles eram críticos da hierarquia eclesiástica, negavam o celibato do clero, a transubstanciação, as indulgências e a autoridade papal. Foram influenciadores da reforma na Inglaterra e na Escócia. Outros líderes: João Huss, na Boêmia (martirizado na fogueira em 1445); ele foi grandemente influenciado pelos Lolhardos. Jerônimo Savonarola, monge da Ordem dos Dominicanos, na Itália, fez uma evidente reforma religiosa e dos costumes, na cidade de Florença (martirizado em 1453, apenas 19 anos antes de Lutero apresentar as suas teses que iniciaram o maior movimento reformista na Igreja).
http://www.igrejaempoa.com.br/cristianismo/capitulo-10/

A inquisição espanhola 1478
A Inquisição espanhola ou Tribunal do Santo Ofício da Inquisição foi uma instituição fundada em 1478 por Fernando II de Aragão e Isabel de Castela para manter a ortodoxia católica em seus reinos que atuou de 1478 até 1834. Esta Inquisição foi o resultado da Reconquista da Espanha das mãos dos árabes muçulmanos, e da política de conversão de judeus e muçulmanos espanhóis ao catolicismo. A Inquisição foi um importante instrumento na política chamada "limpeza de sangue" contra os descendentes de judeus e de muçulmanos convertidos.


Pastor lr Corand . 1886

O Pastor L. R. Conradi (1856-1939), um migrante alemão para a América, aceitou a mensagem
Adventista do Sétimo Dia em Iowa (1878). Oito anos mais tarde (1886), a denominação o enviou
para trabalhar na Europa, onde ele fomentou um rápido avanço da igreja na Alemanha. Tornou-se a principal coluna do adventismo alemão, bem como em outras regiões da Europa. Sua forte liderança continuou por cerca de 35 anos. 
Os Adventistas Da Reforma. Pag. 23 (CASA PUBLICADORA BRASILEIRA).




Em 1914 a Divisão Européia da IASD da Alemanha decidiu que se convocado, o adventista deveria participar do serviço militar e da guerra e mesmo trabalhar no sábado durante o período de beligerância. De acordo com o conteúdo expresso no livreto adventista "O Cristão e a Guerra", que foi um dos principais argumentos usados pelos reformistas em motivo da separação:

Mais tarde, no verão de 1915 os Pastores L. Conrad, H. F. Schuberth e P. Drinhaus fizeram uma segunda apresentação de um documento ao governo alemão, e passou-se a falar de porte de armas. A esta altura o movimento de reforma já estava em andamento e denunciava a igreja adventista como Babilônia por ter se afastado dos preceitos originais, e de posse desse documento avolumaram suas denuncias à Igreja Adventista vindo a se precipitar daí a separação que se materializa em 1920.

"As crises ocorridas na Igreja Adventista têm sido frequentemente recontadas. Geralmente tem-se enfatizado as crises e dissidências envolvendo personagens da ala estadunidense da Igreja, entretanto, outras alas da denominação também sofreram com o ataque de críticos e desertores. Neste
cenário, a apostasia de Ludwig Richard Conradi se destaca por ter sido um marco histórico proporcional à outros eventos.

Ludwig Richard Conradi
nasceu em Karlsruhe, Alemanha, no ano de 1856.
Desde cedo foi apaixonado pelos estudos  e aos 15 anos já possuía boas noções de latim, grego e francês e uma voracidade pelas disciplinas de história e geografia. Contudo, enquanto se
preparava para ser padre, Conradi perdeu o pai e foi forçado a abandonar o seminário católico.
Migrou, então, para os EUA e conheceu a mensagem
adventista enquanto trabalhava em um fazenda do estado de Iowa. Juntando suas poucas economias e contando com o sacrifício dos irmãos de Iowa, Conradi se dirigiu em 1879 ao Batlle Creek College. Acostumado com uma vida que exigia todas suas energias, Conradi terminou seus estudos em 18
meses, apenas um terço do tempo estimado.

Em 1886, a Conferência Geral votou o envio de Conradi à Europa para
assumir a carência de liderança que J. N. Andrews deixará ao morrer. “Dentro
de cinco anos, ele havia organizado um instituto de treinamento para colportores
e obreiros bíblicos, uma missão urbana e um complexo de publicações
Em 1903, Conradi foi eleito vice-presidente da Associação Geral ao lado
de W. W. Prescott, enquanto Arthur Daniells era o presidente.
Embora Conradi tenha, no tempo de seminarista, recebido uma considerável
formação católica, não parece que esse fator desempenhado um papel
relevante em sua apostasia. Desvencilhar-se das antigas pressuposições
pode não ter sido um problema, mas a rápida passagem pelo Battle Creek
College provavelmente tenha proporcionado uma base adventista pouco sólida.
Em 1886, quando Conradi foi enviado para o continente europeu, encontrou-
se com Ellen G. White, que estava em viagem pela Europa desde agosto de
1885.
Alguns meses depois, Conradi foi preso na Rússia após organizar uma Igreja e realizar alguns batismos. A situação legal dele parecia muito delicada e ela lhe enviou uma confortante carta:

-"Querido irmão […] Nós podemos ver agora mais claramente alguma das dificuldades que existem no caminho daqueles que querem  obedecer a Deus. Nós não poderíamos reconciliar este fato com as circunstancias agora, mas Deus trabalha de uma misteriosa   maneira para cumprir suas maravilhas. […] Mantenha a coragem e relembre que o Senhor é o Supremo Governador. […] Pense no  que Jesus o Príncipe da Vida sofreu neste mundo, o justo pelo injusto, para que Ele pudesse salvar homens da morte e da miséria.  Deus governa neste mundo. Ele é o Onipotente. Tenha certeza,
então, que tudo o que ele deseja na sua sabedoria, ou o que seu  amor intenta, Seu poder executará. […] Nós cuidaremos de sua esposa e de sua criança de maneira especial. […] Nós não esquecemos
você e temos apresentado seu caso ao tribunal mais elevado."
(DELAFIELD, 1957, p. 287, tradução livre).
https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/viewFile/97/96

Depois dos malfadados esforços para reconciliação com a Igreja Adventista em 1920 e 1922,
os reformistas saíram para levar sua mensagem ao mundo. Organizaram uma Associação Geral em
1925, época em que registraram as crenças fundamentais e normas organizacionais do movimento
• m um livreto intitulado
The Princivles ofFaithitud Church By-laws (Princípios de Fé e Estatutos da Igreja).
Os Adventistas Da Reforma. Pag. 45






Não olhe os eventos e medidas das história de forma negativa, afinal de contas, é a nossa história, É história do cristianismo na Terra. Mas podemos olhar estas medidas e apreender, afinal de contas, podemos estar do lado certo quando outras se desenrolarem, e então, podemos estar firme em Deus. Ele tem as medidas nas palmas das Suas  mãos, estamos neste lugar seguro.

A palavra de Deus é clara ao afirmar o objetivo de Deus revelar a Ezequiel as medidas do Templo.

"E disse-me o homem: Filho do homem, vê com os teus olhos, e ouve com os teus ouvidos, e põe no teu coração tudo quanto eu te fizer ver; porque para to mostrar foste tu aqui trazido; anuncia, pois, à casa de Israel tudo quanto vires." Ezequiel 40:04
"Tu, pois, ó filho do homem, mostra à casa de Israel esta casa, para que se envergonhe das suas maldades, e meça o modelo. E, envergonhando-se eles de tudo quanto fizeram, faze-lhes saber a forma desta casa, e a sua figura, e as suas saídas, e as suas entradas, e todas as suas formas, e todos os seus estatutos, todas as suas formas, e todas as suas leis; e escreve isto aos seus olhos, para que guardem toda a sua forma, e todos os seus estatutos, e os cumpram." Ezequiel 43:10,11

O  povo que usa o nome de Deus  foi estabelecido neste Mundo como o objetivo de ser adorador, não de si mesmo, mas de um Deus eterno. Não podem estar no Céu e adorar Ele naquele lugar sagrado,  mas podem fazer  desta Terra um lugar de adoração,  como se estivessem diante de Seu trono, assim como era no principio de todas as coisas. Este Mundo é o Grande Templo de Deus,  Deus nos convidou a adora-lo daqui. E quem não O adorar aqui, não irá adora-Lo em nenhum outro lugar. E é por este motivo que Deus estabeleceu limites aos (adoradores e templo), nenhum destes permanecerão para sempre aqui. Deus estabeleceu limites definidos   quem pode ou não ocupar o lugar sagrado, existem leis para isto. Deus apresenta nestas linhas do tempo que Deus nunca dependeu de você, somos nós que dependemos dEle. O apostolo disse: "Deus opera tanto no querer como no efetuar". Você não é mais consagrado por ser melhor que as outras pessoas, ou por estar em um lugar privilegiado. Você só será melhor se Deus restaurar você.

Quem  entenderia   a  forma  desta casa?
Mostrar as medidas do templo, pode sim fazer você reconhecer quem esta no controle,  mas pouco podemos fazer se não existir conversão daqueles que permanecem distantes dEle.  
 "Tu, pois, ó filho do homem, mostra à casa de Israel esta casa, para que se envergonhe das suas maldades, e meça o modelo. E, envergonhando-se eles de tudo quanto fizeram, faze-lhes saber a forma desta casa".

Deus em Sua  palavra  profética nunca disse que Seu povo seria perfeito, disse que no caso de desvio de Sua vontade poderia se voltar para Ele. Mesmo depois de existir o afastamento, existe uma benção que o acompanha após o arrependimento. "Faze-lhes saber a forma desta casa." Poderia haver mudança nas medidas, mas nunca abandono. Deus nunca abandona Seu povo arrependido.

Maior luz sobre  este assunto depende, não daquele que apresenta as medidas, mas daqueles que a contemplam. O orgulho religioso pode fazer com que as medidas de Deus,  em todas as coisas  outras, percam seu  efeito.  E, envergonhando-se eles de tudo quanto fizeram, faze-lhes saber a forma desta casa.     Muito temos a apreender sobre estes pontos relacionados. A vergonha deve trazer mudanças, ou a luz do seu povo se tornará em trevas não importa onde estes estejam, se não existir mudanças, a mensagem nunca os alcançará da forma devida.
Eu nunca irei apontar a você seus erros, vou apresentar as medidas de Deus, e esperar que Deus que opera sempre,  motive sua mudança.


Logo postarei outras linhas de tempo sobre este tema. Adventistas do Sétimo dia e Igreja da Reforma.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço desde já pelo seu comentário, positivo ou critico.