sexta-feira, 25 de março de 2016

A História E Suas Marcas Em Medidas De 70 Anos


A História E Suas Marcas Em Medidas De 70 Anos

 
 
Neste espaço quero recordar com você alguns períodos no qual após 70 anos de História eventos levaram a um limite para os templos ou ciclos importantes da história religiosa. Espero que ao contemplar estas medidas possamos glorificar a Deus ainda mais do que fizemos até o dia de hoje. Mais e mais podemos sempre entender que Deus nos vigia sempre.
 
 
 
Jerusalém teria sido pilhado várias vezes e também totalmente destruída por Nabucodonosor II da Babilónia, em 586 a.C., após dois anos de cerco a Jerusalém.




Décadas mais tarde, em 516 a.C., após o regresso de mais de 40.000 judeus da Cativeiro Babilónico foi iniciada a construção no mesmo local do Segundo Templo.
 
586-70=516





O rei Herodes, o Grande, querendo agradar os judeus reconstruiu o templo, que foi destruído pelo general Tito em 70 D.C., pelos romanos, no seguimento da Grande Revolta Judaica.




Hoje o que resta, erguido, do Templo de Herodes é o Muro das Lamentações, usado por judeus ortodoxos como lugar de oração.
586-70=516    
586-457=129
 

 
 
 
 
Em Jerusalém, encontraram o Templo de Salomão completamente destruído e iniciaram a sua reconstrução. Porém, os companheiros de Zorababel não aceitaram a participação dos samaritanos na reconstrução.


Mais tarde expulsaram Manasses, sacerdote samaritano de Jerusalém, e este lideraram a construção de um Templo tão rico e tão belo quanto o de Jerusalém, embora menor, tendo um clero regular, no Monte Garizim, na Sumária. Deste modo, os samaritanos ficavam isentos de terem que ir a Jerusalém cumprir suas obrigações rituais. O Templo do Monte Garizim foi destruído 129 anos a.C. numa das batalhas, pelo rei dos judeus, João Hircano. Entretanto os samaritanos continuaram cumprindo os seus rituais nas ruínas do Templo. 
http://www.alphaeomega.org.br/comunidade/destaques_ler.php?id=277 
 
Pelo ano 129 AC João Hircano tomou Siquém e o monte Gerizim, e destruiu o templo samaritano; porém os antigos adoradores continuaram a oferecer culto no monte onde existiu o edifício sagrado. Prevalecia ainda este costume no tempo de Jesus, Jo 5.20,21. Neste tempo, as suas doutrinas não deferiam muito na sua essência, das doutrinas dos Judeus e especialmente da seita dos saduceus. Partilhavam da crença na vinda do Messias, Jo 4.25, mas somente aceitavam os cinco livros de Moisés. O motivo principal que levou os samaritanos a receber tão alegremente o evangelho pregado por Filipe, foram os milagres por ele operados, At 8.5,6. Outro motivo, sem dúvida concorreu para o mesmo resultado, é que, ao contrário das doutrinas dos judeus, o Cristianismo seguia os ensinos  e os exemplos de seu fundador, admitindo os samaritanos aos mesmos privilégios que gozavam os judeus convertidos ao Evangelho, Lc 10.29-37; 17.16-18; Jo
Fonte: Dic. Da Bíblia John Davis

Não somente os templos foram destruídos após 70 anos, temos muito outros períodos registrado na história religiosa de eventos em que se um período se diluiu com o fim deste período.
Temos o caso do cativeiro do clero ou liderança judaica 606 antes de Cristo como o ano 1307 depois de Cristo onde o clero de romano foi transferido para a França, . Ambos os períodos foram de 70 anos.
 

Cativeiro de Avignon inicio 1307 - 1377

Com a morte de Bonifácio VIII, em 1303, Felipe IV pressionou pela eleição de um papa francês, fazendo substituto de Bonifácio VIII o papa Clemente V. Para manter um controle mais rígido sobre o papado, Felipe IV transferiu Clemente V de Roma para Avignon, no sul da França. Tinha início o período conhecido como o Cativeiro de Avignon, que durou de 1307 a 1377, onde vários papas se submeteram ao poder dos reis capetíngios.

 

Cativeiro babilônico 606-536

Em Babilônia os judeus aprenderam o aramaico, língua oficial do Império Babilônico e também língua franca do Oriente Próximo. Babilônia dominou o mundo por 70 anos: 606-536 a.C, exatamente o tempo em que os judeus estiveram ali desterrados, em cativeiro.